100815_2015_Concessionr1.jpg

Concessionárias temem o aumento de furtos e fraudes

Em razão dos sucessivos acréscimos nas contas de luz, distribuidoras de energia elétrica e especialistas estão preocupados com um possível crescimento da inadimplência e das ligações clandestinas. Para contornar essa possibilidade, as empresas já estão investindo em novas tecnologias de medição inteligente.

Como a maioria de nós já sabe, as contas de energia tiveram um aumento superior a 32% no último ano, o que representa grade impacto no bolso do consumidor. O engenheiro eletricista Luiz Fernando Arruda é um dos especialistas que temem o aumento das perdas, para Arruda, atualmente, em razão do preço da energia, muitas pessoas que não faziam o denominado “gato” podem se ver tentados a fazer.

De acordo com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), em 2014, as perdas totais em relação à energia injetada no sistema global das 64 distribuidoras foram de aproximadamente 14%, sendo que mais de 8% são de perdas técnicas e cerca de 6% são de perdas não técnicas ou perdas comerciais (relativas a fraudes, roubos e perdas administrativas). As perdas técnicas são inerentes ao sistema elétrico.

Para combater estas perdas relacionadas a fraude e furto de energia, a concessionária paulista AES Eletropaulo adota dois tipos de medidas principais: as campanhas e o investimento em tecnologia. As campanhas relacionam-se a medidas como regularização de ligações em favelas através de oferta de serviços e produtos gratuitos. Já no tocante ao investimento em tecnologia, a empresa está há pelo menos cinco anos apostando em equipamentos inteligentes para combater furtos em alguns locais específicos.

“Trata-se de uma tecnologia bem mais cara que a convencional, mas que permite fazer a leitura de forma remota, cortar e religar a distância, com um simples comando”, diz o gestor Wagner Pimenta, destacando que, assim, é reduzido o risco relacionado à entrada de profissionais das concessionárias em áreas em que há ligações clandestinas. “O corte de energia não é uma prática muito querida pelos moradores”, conta o coordenador.

A concessionária utiliza ainda um sistema computacional de inteligência, data mining (prospecção de dados), que aponta desvios de comportamento no consumo do usuário, seja em relação ao seu histórico de consumo, seja em relação ao consumo do vizinho. Mas apesar de todos os aparatos tecnológicos, a visita de profissionais ainda é necessária para a detecção de problemas nos medidores. A distribuidora informa que conta com 300 equipes de inspeção, formadas por duplas, totalizando 600 profissionais só de campo. Ao todo, são investidos R$ 400 mil por ano para a busca e combate de irregularidades.

Desta forma, percebemos que, juntamente com a promoção de conscientização, melhoria de condições socioeconômicas, e ações policiais, a inovação tecnológica é um importante instrumento para reduzir e um dia, talvez eliminar os furtos de energia elétrica. Uma dessas inovações está sendo desenvolvida pela Silver Spring Networks, empresa da área de Smart Grid. Trata-se de uma tecnologia de medição inteligente externalizada em caixas nos postes, que está sendo implementada na área central da Cidade do México pela maior distribuidora de energia elétrica da América Latina, que atende a cerca de 38 milhões de consumidores em 16 regiões do México.

No Brasil a Siemens desenvolveu um software de automação de medição denominado MECE que, de acordo com o gerente geral da área de Smart Grids, Sergio Jacobsen, tem como função primordial acumular os dados oriundos dos medidores espalhados pelas áreas de concessão das distribuidoras. “Ele simplesmente concentra todas as medições, as organiza, valida e verifica a planilha de dados, e realiza uma estimativa, se necessário, conectando estas informações com o sistema de faturamento da concessionária. Tudo de maneira automática”, explica Jacobsen.

Ainda sobre as funcionalidades do software, Jacobsen comenta que, como o programa integraliza todas as medições de 15 em 15 minutos, na maioria dos casos, ele consegue verificar o comportamento de consumo do cliente, derivando dele alguns algoritmos de perdas. O software foi se desenvolvendo com o tempo e hoje já utiliza mais de 50 algoritmos. Segundo o gerente geral, o MECE tem inteligência para identificar comportamento de consumo que são considerados suspeitos. Diante dessa identificação, o sistema emite alarmes para a distribuidora que vai ao local para confirmar se o medidor está sendo fraudado. Além dessas funções, o software também permite o corte e religamento remoto.

Jacobsen conta que oito concessionárias brasileiras já utilizam o software e a Siemens projeta exportá-lo para outros dois países da América Latina: o México e a Colômbia. O software MECE foi desenvolvido no Brasil, no centro da Siemens de P&D, em Belo Horizonte (MG).

Para combater os fraudadores, a empresa financeira Serasa Experian também tem trabalhado em parceria com as distribuidoras de energia elétrica para disponibilizar uma lista mensal com os medidores com maior probabilidade de fraude. Esses medidores são detectados a partir da análise de comportamentos e características do domicílio e da pessoa física ou jurídica vinculada ao cadastro. A empresa se baseia em indicadores que identificam perfis diferenciados de queda no valor da conta de luz, levando em conta a sazonalidade e o perfil do cliente, com dados do banco de dados da Serasa e da distribuidora.

Por Bruno Moreira – O Setor Elétrico – Edição 114 – 2015